Dê uma olhada no Blog 'Novidades'!


CRIATIVIDADE ZERO: Capítulo 1 (A ilha está AFUNDANDO!)

*Iniciando sistema SeyneX*

ATENÇÃO PINGUINS PARA UMA COMUNICAÇÃO ESPECIAL DO SEYNE! (Ou ESPACIAL :D) *Bip bip bop*!

Já vimos MUITAS VEZES esta história: A ILHA AFUNDA por culpa do Rookie, os pinguins entram em labirintos e conseguem recuperar a ilha. Mas desta vez, quero relembrar este fato usando a criatividade de vocês.

E se criássemos uma “novelinha” com base nas ideias de cada um?

Por isso criei a WEBSÉRIE “CRIATIVIDADE ZERO”! Vocês vão decidir o meio e o final da história. Eu que começo!

Criatividade Zero – Capítulo 1

Era uma tarde muito chuvosa. Eu (Pingo) e meu puffle Lagoon estávamos assistindo nosso seriado favorito acompanhados de muita pipoca! A antena da televisão não era muito boa, e como já estava chovendo, nossa programação todinha tinha ido por água a baixo!

– Ah, cara! Não acredito nisso! – exclamei, com muita indignação. O puffle Lagoon, cujo nome é Puffão, percebeu minha reação e tentou fazer algo para me ajudar.

Ele correu para a cozinha, pegou uma outra antena (essa um pouco mais velha, mas é aquele ditado – panela velha faz comida boa!) e a colocou pertinho da TV. Tudo voltou a funcionar, e conseguimos voltar a assistir nosso seriado. Algumas horas mais tarde, já com Puffão dormindo no meu colo, me senti cansado e também resolvi dormir. Podíamos descansar a noite e madrugada inteira ali se quiséssemos, mas um fato muito impressionante nos fez acordar às 2h30 da manhã: ESTÁVAMOS INUNDADOS!

Rapidamente acordei Puffão e peguei muitos baldes para recolher a água, mas era em vão – era impossível tirar toda aquela água com dois baldes. Para se ter uma ideia, o nível da água estava chegando pertinho do meu bico!

Corri (ou melhor, nadei) até o Centro para pedir ajuda. Mas percebi durante o caminho que a ILHA TODA ESTAVA INUNDADA!

Diziam que o único lugar que não estava debaixo do mar era o Migrator – o esperado para um navio, porém estava MUITO DIFÍCIL conseguir nadar até ele. Além de toda aquela muvuca de pinguins preocupados com suas vidas (outros até mesmo sem saber nadar!), haviam puffles perdidos na água e muitos pertences largados no trajeto, que dificultavam o acesso à Praia.

E agora me vi em um grande problemão: eu não tinha para onde ir, nem mesmo um iglu para morar! Era apenas eu, encharcado e com frio, e meu puffle Puffão, tão assustado quanto Sasquatch quando nos viu pela primeira vez.

Agora é a sua vez!

Dê continuidade a história. Você só pode escrever a continuação do que aconteceu, porém não pode dar um final na trama. É SÓ PARA ESCREVER O DESENVOLVIMENTO!

  • Você pode criar novos personagens.
  • Você pode criar novos cenários.
  • Você pode inventar uma situação maluca que pode tirá-los dali (pode viajar na maionese SIM!)
  • Você não pode escrever um final.
  • Você tem que terminar seu desenvolvimento com algum gancho, fazendo alguma pergunta para o leitor ficar intrigado com o que pode acontecer.
  • Você tem que ser criativo!

O MELHOR SERÁ POSTADO COMO O capítulo 2 da história! Sei que são capazes, porque

VOCÊS SÃO INCRÍVEIS!

= )

*Desligando sistema SeyneX*


Por Seyne em 13 de Abril de 2021

16 Replies to “CRIATIVIDADE ZERO: Capítulo 1 (A ilha está AFUNDANDO!)”

  1. Capítulo 2 : Lidando com água.

    Carambolas, bateu um desespero quando olhei a ilha inundada, naquele momento não sabia se me preocupava com os pobres puffles, com os pinguins não nadadores ou com toda a ilha sendo afundada.
    A agência secreta (EPF), investigava o caso misterioso, como podia uma ilha afundar sem mais nem menos? Tinha uma espinha no meio do sanduíche! Alguns conhecidos da ilha não se pronunciaram diante da situação, outros tomaram comando em relação à tudo que acontecera como Tia Artic que no momento que a ilha inundou estava escrevendo seu artigo para o jornal do dia seguinte e DJ Cadence que dormia após um longo treino da sua mais nova coreografia, juntas elas se apresentaram na EPF para recolher bóias e entregar aos pinguins! Elas pegaram todos os tipos de infláveis, dos pequenos até os maiores, dos largos aos curtos e de volume duvidoso.
    Após o recolhimento, DJ sendo uma ótima manobrista subiu em cima do Dance Club e arremeçou bóias para todos os lados, houve brigas no meio da confusão, uns queriam colocar seus pertences no lugar de puffles e pinguins. O despesero logo foi embora e nós nos dividimos em 20 grupos, eu estava ocupado demais resgatando puffles que flutuavam pelas águas, reservei um barco-bóia só para eles e aos poucos fui me distanciando do bando mesmo sem perceber e quando me toquei já era tarde demais…

  2. Capítulo 2: “O mistério Aquático ”
    Meudeus, oque iremos fazer agora! Tudo está alagado não temos para onde ir, vamos morrer aqui!!
    Nisso Puffão me olha e dá um belo de um pulo sobre a água, depois pensei e disse: -Puffão não vamos deixar assim, vamos descobrir quem fez isto e vamos salvar a ilha Penguin.
    Eu e Puffão nadando como se não houvesse amanhã na ilha afundada, tudo estava sombrio, pinguins desesperados, puffles perdidos se afogando, mas não desistimos nós precisávamos descobrir quem fez isto.
    Nossa primeira parada foi no Jornal Penguin, estava tudo completamente encharcado, jornais molhados, e numa sala bem escura estava a Tia Artic, com seus dois puffles roxo e verde se escondendo e tentando se manter bem, logo me reconheceu quando ajudei a encontrar os seus puffles arteiros, ao me ver abriu um sorriso e disse:
    – Você, porfavor me ajude, hoje acordei cedo para tirar foto e investigar algo para criar um artigo, e consegui tirar fotos antes do acontecimento, fotos com coisas estranhas na ilha que o G vai conseguir descobrir oque é, porfavor ache minha câmera e leve as fotos para o G o mais rápido possível.
    Então eu e Puffão nadamos por muito tempo, quando encontramos a câmera da Tia Artic embaixo de uma âncora que caiu de algum barco no Farol, eu n tinha forças para levantar aquela âncora, mas Puffão achou um Puffito no fundo do barco, onde comeu, ficou forte, determinado e conseguiu levantar a âncora, pagamos o cartão de memória da câmera e levamos rapidamente ao laboratório secreto do G, que estava completamente seco.
    Ao chegar lá analizamos as fotos e descobrimos algo que não queríamos, avistamos um TERREMOTER 1000, o primeiro modelo do TERREMOTER 3000 que o G tinha inventado, aquela máquina estava mais potente e estava fazendo tanta força que a ilha foi se afundando cada vez mais, então chamamos os melhores a gentes da EPF, pegamos os melhores submarinos, e mandamos forças especiais arrancarem aquela máquina, levantar a Ilha Penguin novamente, e descobrir quem fez aquilo, mas algo entranho deixou o G preocupado, uma mancha de Chocolate Quente avistada na ponta do Iceberg. CONFIRA NO PRÓXIMO CAPÍTULO…

  3. Capítulo 2: O Resgate
    Eu e Puffão estavamos espantados e sem rumo, até que vimos uma lancha, nessa lancha avistamos a TP, no qual tinhamos conversado na cabana há poucos dias, ela estava resgatando os puffles e seus donos que estavam à deriva!
    Dei um grito, e ela nos avistou, entramos na lancha e partimos rumo ao Migrator; No meio do caminho, encontramos um terrível Megalodonte, no qual eu ouvi boatos que estava congelado no iceberg há muito tempo atrás, a TP acelerou os motores para escaparmos da fera, e felizmente, conseguimos devido à uma pizza de salmão cujo um penguim estava guardando pro almoço (Tubarões adoram pizza de salmão), finalmente havíamos embarcado no Migrator, onde fomos muito bem recebidos pelo Capitão Rockhopper, junto com o Yarr, seu puffle de estimação!
    No Migrator, havia em média uns 110 pinguins! Parecia até a fila para encontrar o Sasquatch! A Tia Arctic também estava presente junto com o Rookie, que estava levando uma bronca! No navio, consegui ouvir boatos sobre a EPF estando em uma base subterrânea secreta, cujo só agentes dos mais altos postos conhecerem-a!
    Nós passamos a noite no Migrator, sorte nossa que havia um Pizzaiolo na embarcação! Comi uma pizza de Camarão Apimentado, estava delicioso como sempre! Apesar de que eu estou preocupado com meus amigos que ainda não foram encontrados…

  4. Capítulo 3:”Cada vez mais fundo!”

    E num piscar de olhos, eu me vejo no meio do nada sem ter a mínima ideia do que fazer ou de aonde eu estava ai iça coisa que eu tinha certeza era de que, eu e os puffles estávamos aterrorizados e já cansados. Depois de um tempo olhando em volta eu conseguir avistar ao longe… ERA O DOJO!!!
    Eu não conseguia acreditar no que via, o dojo não se foi inundado por muito pouco graças aos ninjas! Mas a felicidade passou rápido já que o cansaço não ajudou muito nessa missão, eu logo em seguida já imaginava ver barcos e boias vindo na direção do dojo e eu estaria a salvo mas, não. Por algum motivo os barcos e boias continuavam reunidos no que parecia ser a ponta do farol da ilha. Eu já estava sem forças e sem ideias a única opção seria… Gritar?!?!
    Por um milagre a agua começa a se agitar bastante e do meio do nada surge O NJNJA DA ÁGUA!!! Um milagre eu diria, mas foi apenas graças ao gritos e berros que eu e os puffles que eu estava abrigando na canoa fizemos por alguns segundos. E finalmente nos encontramos abrigo em meio a este caos em que a ilha de encontrava. Haviam alguns outros pinguins e aprendizes de faixas brancas que já estavam no dojo na hora do grande acontecimento, mas mesmo com abrigo e pessoas a minha missão ainda não tinha acabado eu e agora o sensei, os ninjas e outros pinguins precisávamos de um plano para abrigar o resto dos pinguins e descobrir como diabos está espinha apareceu neste sanduíche?!?!?!?

  5. Capítulo 3:”Uma luz no fim do túnel ou um dojo?!?”

    E num piscar de olhos, eu me vejo no meio do nada sem ter a mínima ideia do que fazer ou de aonde eu estava ai iça coisa que eu tinha certeza era de que, eu e os puffles estávamos aterrorizados e já cansados. Depois de um tempo olhando em volta eu conseguir avistar ao longe… ERA O DOJO!!!
    Eu não conseguia acreditar no que via, o dojo não se foi inundado por muito pouco graças aos ninjas! Mas a felicidade passou rápido já que o cansaço não ajudou muito nessa missão, eu logo em seguida já imaginava ver barcos e boias vindo na direção do dojo e eu estaria a salvo mas, não. Por algum motivo os barcos e boias continuavam reunidos no que parecia ser a ponta do farol da ilha. Eu já estava sem forças e sem ideias a única opção seria… Gritar?!?!
    Por um milagre a agua começa a se agitar bastante e do meio do nada surge O NJNJA DA ÁGUA!!! Um milagre eu diria, mas foi apenas graças ao gritos e berros que eu e os puffles que eu estava abrigando na canoa fizemos por alguns segundos. E finalmente nos encontramos abrigo em meio a este caos em que a ilha de encontrava. Haviam alguns outros pinguins e aprendizes de faixas brancas que já estavam no dojo na hora do grande acontecimento, mas mesmo com abrigo e pessoas a minha missão ainda não tinha acabado eu e agora o sensei, os ninjas e outros pinguins precisávamos de um plano para abrigar o resto dos pinguins e descobrir como diabos está espinha apareceu neste sanduíche?!?!?!?

  6. Capítulo 3:”Uma luz no fim do túnel ou um dojo?!?”

    E num piscar de olhos, eu me vejo no meio do nada sem ter a mínima ideia do que fazer ou de aonde eu estava a única coisa que eu tinha certeza era de que, eu e os puffles estávamos aterrorizados e já cansados. Depois de um tempo olhando em volta eu conseguir avistar ao longe… ERA O DOJO!!!
    Eu não conseguia acreditar no que via, o dojo não se foi inundado por muito pouco graças aos ninjas! Mas a felicidade passou rápido já que o cansaço não ajudou muito nessa missão, eu logo em seguida já imaginava ver barcos e boias vindo na direção do dojo e eu estaria a salvo mas, não. Por algum motivo os barcos e boias continuavam reunidos no que parecia ser a ponta do farol da ilha. Eu já estava sem forças e sem ideias a única opção seria… Gritar?!?!
    Por um milagre a agua começa a se agitar bastante e do meio do nada surge O NJNJA DA ÁGUA!!! Um milagre eu diria, mas foi apenas graças ao gritos e berros que eu e os puffles que eu estava abrigando na canoa fizemos por alguns segundos. E finalmente nos encontramos abrigo em meio a este caos em que a ilha de encontrava. Haviam alguns outros pinguins e aprendizes de faixas brancas que já estavam no dojo na hora do grande acontecimento, mas mesmo com abrigo e pessoas a minha missão ainda não tinha acabado eu e agora o sensei, os ninjas e outros pinguins precisávamos de um plano para abrigar o resto dos pinguins e descobrir como diabos está espinha apareceu neste sanduíche?!?!?!?

  7. Capítulo 2-Por água a abaixo
    E lá estava nos assustados,até que meu Puffle ficou agitado olhando pro céu:

    Eu-Desculpa amiguinho não é uma boa hora

    pra olha as estrelas
    Mas ele continuou olhando

    Puffão-ufff… Ufff…

    Depois de tanta insistência escutei um barulho de uma sirene

    -uuuuuuiiiiiiiiiuuuuuuiiiiiiuuuuuu

    Quando olhei para o céu vi o Rookie encima de uma nave todos os pinguins ficaram animados!

    Rookie fez sua entrada triunfal com a espressão de heroi

    Rookie-Opa pessoal não precisa ficar com medo o Rookie e a EPF chegou na área.

    Os pinguins estavam entrando na nave até escutarem um som muito estranho vindo do centro da ilha

    -UUUUUUUHHHHHHHHH

    E de repente uma criatura que nunca vimos antes engole o Migrator inteiro

    Pinguim-Nãooooo

    Os pinguins estavam aterrorizados ao ver aquilo então o Rookie disse com uma espressão de medo e de preocupado

    Rookie-Calma pessoal vamos evacuar não podemos ficar aqui.

    Eu estava muito preocupado com o capitão então fui falar com o Rookie na cabine de Comando:

    Eu-Rookie você precisa fazer algo não pode deixar o capitão na barriga daquele monstro

    Rookie com uma expressão seria diz

    Rookie-Eu não posso fazer nada,mandar uma equipe pra entrar na boca daquele monstro é perigoso demais e nem sabemos onde ele está

    Nesse momento um dos motores da nave explode

    Comando-Alerta motor 2 danificado… Alerta motor 2 danificado…

    Rookie-comando o que aconteceu?

    Comando-ser desconhecido se chocou o motor 2

    Eu-a não e agora!!!!

    Meu Puffle já estava com medo demais até que escutamos o romco do monstro

    -UUUUUUUHHHHHH!!!!!

    E em 5 6 segundos o monstro engoliu a nave inteira…

    E lá estava nos na barriga do monstro sem saber o que fazer, Rookie chamou algums agentes verem se da pra conçertar a nave

    Eu-Rookie precisamos encontrar o capitão ele sabe tudo sobre monstros marinhos se o encontrarmos,ele vai dar um jeito de sairmos daqui!

    Rookie-Ta dessa vez eu vou mandar uma equipe pra procurar,está disposto a ir?

    Eu-Queeee nossa não acredito que vou fazer uma missão da EPF!!!

    Disse eu animado

    Então tá eu aceito!

    Rookie-Beleza é hora do show!

    Continua no Capítulo 3-Barco a Vista! …

  8. Capítulo 2: Chamado da Diretora

    Teria se desesperado tanto com a água que me esqueci de Puffão,porém aliviado pelo Puffle ser muito inteligente e sabia como se proteger em casos do tipo.Sabia também dos penguins não-nadadores,mas logo encontrariam algum lugar para se segurarem. O telefone dos Agentes da Elite Penguin Force começa a tocar,descobrindo assim que os telefones eram aprova de água, um chamado da Diretora! Uma reunião urgente!
    Chegando até a sala de comando,escuto Rookie choramingando.
    – Essa água estragou o meu dia! – Choraminga Rookie – Queria tano estar deitado vendo TV!
    – Tenho certeza que você não foi o único que teve seu dia arruinado – Logo responde Gary,que estaria pegando seus papeis em busca de alguma invenção que possa ajudar os penguins nesse momento.

    Vêm chegando mais gente,como agente Paige,que estaria com vários de seus puffles na cabeça. A televisão se liga,causando um silêncio na sala,assim aparece a Diretora,visivelmente preocupada devido seu chapéu caído para o lado esquerdo da cabeça.
    – Bom Dia Agentes – diz Diretora com um modulador de voz – Aposto que não será necessário dizer o que aconteceu com a Ilha,porém,espero que já tenham pensado em soluções…
    – Só consigo pensar nos nos penguins não-nadadores – Diz Paige cabisbaixa – O que poderemos fazer?!
    – Gary! – Teria lembrando da missão “regate da avalanche” – Por quê não usamos aquele disparador de bolha? O cara do foguete poderia ajudar no resgate!
    – É uma ótima ideia,porém receio que não teremos boias o suficientes para todos os penguins… – Responde Gary dando um gole no café,ainda vasculhando uma invenção que possa ajudar.
    – Algo me diz que Hebert está envolvido nisso… – O Cara do Foguete estaria do lado de Gary escrevendo quais invenções e quando deveriam usa-las.
    – Ok…os agentes de campo irão ajudar os penguins, salvando puffles, e devolvendo pertences – Diz Diretora,que já teria arrumado seu chapéu – Ah! Já ia me esquecendo, o objetivo principal agora é encontrar algum lugar seguro para abrigo. Boa sorte.

    A televisão desliga,e em um piscar de olhos todos já teriam saído para exercerem suas funções.

  9. Capítulo 2
    Puffles:
    Puxa em! O que será que eu, Pingo, e meu Puffle Lagoon iremos fazer?
    Bem… Eu pensei já em uma coisa, será que o G (Gary) pode nós ajudar?
    Fui até a EPF:
    -G! Esta sabendo sobre o inundamento da ilha? – falando com muito agitação!
    -Sei sim! e ja estou bolando um plano! Você se lembra da maquina de energia solar do Herbert? (Maquina usada na Operação : Apagão)
    -Conheço… Porque você vai usar ela?
    -Bem, se eu modificala para afastar somente água, irei conseguir tirar a água da ilha!
    Então, depois dessa conversa “estranha” com o G, fui para a Pizzaria, porque queria ver se tinha algum puffle ou pizza se afogando!
    Quando cheguei la, encontrei Rockhopper com seu puffle Yarr, eles estavam pedindo ajuda:
    -Socorro! Nós ajude! – Disse Rockhopper em um tom de assustado.
    Então derrepente, foguinho aparece e salva os dois!
    Então conversei um pouco com Rockhopper, uma conversa interessante mais meio estranha.
    Logo depois disso, fui para os iglus de meus amigos, cheguei no iglu da Pam, ver se estava tudo bem, também estava inundado, mais até que dava pra andar la, porque o chão era meio alto.
    Bem, não consegui achar puffles depois, achei isso estranho…
    ATÉ QUE…
    ELE APARECE…
    Herbert P. Bear!!
    -Herbert!? O que você fez aqui?
    -Eu? Eu capturei todos os puffles da ilha! – Rindo em um tom Assustador.
    CONTINUA!

  10. era uma vez um pirata mau assobrado ele vivia na ilha chamada ilha mariz um dia ele falou eivei vamos passear ver o mar e ecotrar o dos gos verde eo luidivil então eles foram quanado chegaram la eles falam nossa que lindo a ilha e vamos viajar pra fundo do mar achar um tesouro encetado nos fundo das progudenças então eles forma e morrera afundados

  11. depois daquilo parece que finalmente me encontrei isolado numa ilha ela parecia muito estranha mesmo assim era só eu pois ninguém estava mais lá finalmente encontrei uma maneira de sobreviver comendo frutas e foi lá que eu encontrei um puflle marrom e também encontrei um pinguim lá também erá o Gary parecia sorte demais estar isolado em uma ilha com alguém muito inteligente como ele ele estava montando uma maneira de sair daquela ilha misteriosa, montamos uma maneira de sair daquela ilha e voltar para a ilha do Club pinguim se ela ainda estivesse inteira mesmo assim ainda temos esperança e depois de um dia trabalhoso fomos dormir mas naquela noite escutei um barulho estranho na pequena ilha, depois de dormir montamos nossa jangada e fui explorar mais a ilha até que encontrei uns pelos brancos e fui seguindo o rastro que eles deixavam muito estranho encontrei nada só um caranguejo mesmo assim fui embora finalmente g montou uma maquina do tempo para impedir que a ilha afundasse e assim ele conseguiu impedir só que até hoje eu penso o que era aquela trilha de pelos brancos????

  12. No alto do dojo avia dois pinguins jogando CardJutsu, pain e pantufa logo após essa batalha eles queriam tomar chocolate quente, porem quando eles saíram eles viram a ilha toda alagado
    pain: meu puffle!!!
    Pain e Pantufa sai correndo/nadando ate chegar no centro, eles veem os pinguins em desesperados pegando boias, pain pega uma boia e vai endereção a seu iglu, e pantufa grita
    Pantufa: me encontra aqui
    Pain só ignora pantufa a chega no seu iglu e vê seu puffle com medo, ele entrega a boia pro puffle e fala
    Pain: vai pro centro
    puffle vai endereção a o centro encontrando Pantufa
    o puffle de pain pula e da um abraço em pantufa
    pantufa: pera, cadê o pain?
    pain sai nadando em direção a o centro porem e puxado por algo e começa a se afogar, pantufa vendo isso pula na agua e vai salvar Pain, Pain se solta e vê um puffle se afogando, e recebe que era aquilo que tinha lhe puxado,
    pain mergulha e salva o puffle.
    Pantufa: acho melhor irmos em direção a EPF
    Pain: também acho
    chegando no QG da EPF eles encontram Rokkie e “G” ou melhor, Gary, Gary estava tentando ligar para os agentes ate que uma voz atende…

  13. Capítulo 2: -Inundação na ilha-

    Enquanto o caos subaquático Passava sobre a ilha, Os agentes da agência secreta de pinguins que já se encontravam na base subterrânea, presos em meio a tormenta e com os sistemas danificados pela pressão da água já não sabiam oque fazer. Enquanto alguns pinguins boiavam (de um jeito não muito calmo) Sobre a superfície da água que agora tomava a ilha inteira, Um pinguim roxo se destacava ao lado de Gary, flutuando em cima do Boiacross. Estavam todos desesperados, Gary encarava por alguns segundos o pinguim roxo de poucas palavras (que ele havia selecionado pela surpreendente calma diante aquela situação) Sem muito mais oque fazer, ambos concordaram em seguir em direção ao Migrator, (que olhando de lá, parecia uma figura embaçada que não parava de chacoalhar) Com tantos balanços, chuva e relâmpagos levaram quase uma hora para conseguir subir as escadas para o navio. Rockropper, dentro da sala do mapa suava, enquanto constantemente folheava mapas e livros, em busca de alguma coisa. O pinguim roxo apontou com um gesto de pedir permissão para o diário do pirata, que estava em uma estante empoeirada. Capitão Rockropper pegos o livro, assoprou a podeira e entregou ao misterioso pinguim calado, que o agarrou sutilmente. No mesmo momento, um relâmpago Monstruosamente grande atingiu o Migrator, perfurando o navio quase no meio. A água não parava de entrar e o desespero que parecia não poder piorar cresceu como nunca. O pinguim roxo, com sua faixa preta e cachecol esfarrapado disse: -Aguardem. -E pulou no mar. Rockropper e Gary não entenderam bem, mas olhando o pinguim roxo sumindo nas profundidades, Gary abriu uma maleta que carregava e tirou de lá trajes de mergulho. Vestidos então com os mesmos mergulharam em busca do misterioso pinguim. Mas fundo do que qualquer pinguim poderia nadar sem um traje, Gary e Rockropper avistaram o pinguim roxo, estavam numa caverna aquática, com conchas gigantes e vários puffles Lagoons cercavam por lá, porém oque chamava atenção de todos era uma sombra nos fundos da caverna a sombra de uma lula gigante, com a qual Rockropper sentia familiaridade. O pinguim roxo parecia se comunicar com a criatura. Gary pretendia perguntar algo ao pinguim, quando de repente, Escutam um sussurro esquisito, todos olham pra trás e vem algo como um submarino de aqua grabber naufragado que misteriosamente ainda se movimentava. A lula imediatamente ao enxergar o submarino fugiu tão rápido que ninguém pode ver sua aparência, A água embaçava a visão mas Gary pode enxergar uma figura estranha dentro do submarino: Parecia um pinguim, mas tinha uma abóbora na cabeça e vestia um jaleco esfarrapado, seguido com uma risada maléfica e fantasmagórica, o pinguim roxo então vai até a direção do pinguim-abóbora e o encara agressivamente, Logo, seus cabelos ficam brancos, e suas nadadeira se tornam escamas. Puffles Lagoon Seguiram o pinguim roxo, e Puffles fantasmas surgiram ao lado de Jack, o Sinistro, que tirou do bolso um deck de cartas ninja, todas com um elemento que nenhum dos pinguins havia visto antes.
    …Então…

Responder a josugdss Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *





®2017-2021 Club Penguin Brasil. Não possuímos direitos reservados por nenhum dos arquivos.