Dê uma olhada no Blog 'Novidades'!


A Lenda do Relógio do PUFFLE MARROM! (E concurso de LENDAS!)

ATENÇÃO PINGUINS PARA UMA COMUNICAÇÃO ESPECIAL! (Ou ESPACIAL :D)

Em uma das minhas visões malucas do futuro, pude enxergar uma festa que com certeza vai levantar o astral de TODOS: a tão amada festa dos puffles! E o melhor: A MINHA VISÃO DIZ QUE A FESTA COMEÇARÁ NESTE MÊS!

Para aproveitar o clima puffístico, trouxe a vocês uma lenda muito antiga: a lenda do puffle marrom.

user uploaded image

Diz a lenda que um puffle marrom que vivia na ilha junto com outros de todas as cores era bastante excluído e muito zoado. Esse puffle alimentou toda a raiva e tristeza que sentia durante bastante tempo, até que ele teve uma triste ideia. Ele formulou um plano que até então parecia infalível: prender todos os puffles na caverna mais obscura da ilha, os atraindo com a comida predileta de cada um. Não conseguiu prender todos, mas muitos puffles ficaram presos lá.

O que ele não sabia, era de que Herbert era o morador da caverna. Quando o urso polar viu uma quantidade enorme de puffles clamando por ajuda em sua casa, não existia outro sentimento no mundo a não ser a raiva.

Herbert fez experimentos com esses puffles, que ficaram dias e dias presos na caverna. Certo dia, TP estranhou a quantidade pequena de puffles na ilha e se questionou se as criaturinhas haviam encontrado um novo local. Em seguida, um puffle amarelo muito bem educado, a disse em sua língua que sua família inteira foi raptada. Os agentes secretos foram CHAMADOS PARA A MISSÃO!

Demorou cerca de dois dias para finalmente encontrarem a caverna. Enquanto isso, Herbert continuava fazendo seus experimentos, com o objetivo de montar um relógio muito estiloso utilizando um puffle no topo. Porém, não havia nenhum puffle da mesma cor do relógio marrom do urso, fazendo assim o plano de Herbert ir por água a baixo.

E depois de dois dias de buscas, a EPF achou a caverna: quem conseguiu encontrá-la foi o mesmo puffle marrom que prendeu todos seus “amigos” ali, farejando como um cão policial mesmo. Porém, a verdade era que o puffle marrom não havia contado para ninguem que havia sido ele quem prendeu os puffles na caverna. Esse fato pesou em sua consciência.

Quando Gary, com seu Destruidor de Cavernas 3000 conseguiu invadir a casa do malvado Herbert, TODOS os PUFFLES FUGIRAM! Contudo, o puffle marrom ficou com a consciência tão pesada que achou justo ele ficar lá dentro. Se escondeu por trás de algumas pedras e ficou ali até todos saírem. Com o passar das horas, Herbert o viu e finalmente tinha o puffle perfeito para o seu experimento. Essa é a história do relógio do puffle marrom, uma lenda muito antiga que é contada de geração para geração.

Turma do Selo | Tudo sobre HearthStone e League of Legends: Puffle em  destaque: inteligência marrom

Você já conhecia esta lenda? COMENTA AÍ EMBAIXO outras lendas que você já conhece. MELHOR AINDA! Invente a sua própria lenda, SEJA BEM CRIATIVO! A melhor lenda será postada aqui NO BLOG!

Aproveitem essa oportunidade! Nosso tempo é curto.

= D


Por O Grande Seyne em 5 de Março de 2021

28 Replies to “A Lenda do Relógio do PUFFLE MARROM! (E concurso de LENDAS!)”

  1. Olá seyne!

    então, conheço uma lenda muito antiga mas vale, em 2008 mais ou menos, nao me recordo da data, mas foi lançado a festa operação hibernação, e nela tinha uma missão de prender e capturar o herbert, era muito legal e junto dela tinha a festa da montanha mais alta, foi irado demais! podia escalar demorando dias e dias e era muito frio brrr!
    mas voltando que perdi o foco ahaha!
    nessa montanha havia uma parte congelante e nela tinha um trator de neve congelado, em ruinas, diz a lenda que usou aquele trator morreu e o seu espirito reencarnou no trator e hoje anda a noite pela montanha de esqui, mas em um determinado horario, se é real eu não sei, mas me da medo só de pensar!!

    um abraço penoso e até a proxima!

  2. A lenda do ET Penguin:

    Era uma vez um penguin normal, que um dia estava com seus amigos, e caiu dentro de um barril, saiu rolando até o farol, e bateu com a cabeça. Ele foi levado ao hospital RAPIDAMENTE RÁPIDO, e a cabeça dele, estava muito diferente do normal, estava muito inchada, gorda, e feia. Assim, quando ele saiu do Hospital, ele foi andar um pouco, para pegar um ar, até que, ELE FOI LEVADO POR ALIENÍGENAS! Quando ele acordou, ele viu que havia vários ETS, então, ele foi nomeado de O ET Penguin.
    Ele sempre pode ser chamado por barris de qualquer coisa, ele vai te caçar, até o fim. Quando ele te pegar, ele vai te transformar em um Mecamorfo Penguin, e você vai ser um ET que pode aprimorar e pode modificar QUALQUER COISA! Mas você vai ser um ET para sempre.
    Assim termina, a lenda do ET Penguin… LEMBRE-SE! Ele ataca muito mais barcos, pois está muito mais cheios de barris. Então, como eu faço para ele não me pegar se eu tiver barris? Bom, isso é simples, você pode ter barris de Café, Refrigerante do Seyne, ou Suco de Manga da Pam. ( O Seyne fez um Refrigerante, e a Pam fez um suco ‘u’ ). É isso! Tome bastante cuidado!

    Por O Grande OptimusCP em 5 de Março de 2021

  3. Hanna.exe

    Hanna era um pinguin como qualquer outro, uma justiceira que vivia reportando infratores e deixando o jogo cada vez mais justo.

    Certa vez, Hanna se apaixonou por um garoto com o nome de Fred010380. Os dois passearam, comeram pizza… Hanna estava completamente apaixonada.

    Hanna costumava trocar peças do seu corpo para peças robóticas com ajuda do seu irmão para que ela pudesse reportar melhor os infratores, começou com a cabeça, o corpo, os órgãos, só restava o coração…

    Na noite que a Hanna ia fazer o seu último procedimento, o Fred iria passar a noite ali, eles ficaram juntos por toda a noite, e era chegada a hora do procedimento.

    Foi um procedimento tranquilo, Fred ficou junto segurando a mão de robô dela o tempo todo.

    Quando Hanna acordou, ela não se sentia mais a mesma, ela procurava e se lembrava do Fred, que deixou a sala de cirurgia em lágrimas tão salgadas quanto o coração de metal que ela agora tinha.

    Desde então Hanna continua com o sentimento de vazio no peito, segue procurando seu amado e reportando os infratores, e sempre com a mesma dúvida na cabeça dela… Eu fiz a escolha certa?

    Apenas o tempo dirá.

  4. A lenda do homem injustiçado, de acordo com boatos contados e varias regiões do club penguin um homem avia sido injustiçado sei nome era alanderson meireles um menino flinstons dedicado ao seu trabalho, honesto e tranquilo com a vida ate ser convidado para a festa do brtt essa festa aconteceu no dance club as 20:30 alanderson e sua namorada estava curtindo do lado da piscina ate que alanderson decide ir buscar algo no seu iglu, voltando do seu iglu mit ele avista mit calças leves dando um tapa na bunda da namorada de rakin e alanderson um menino heroi correu para ajudala mas ele nao sabia que seria injustiçado nesse momento ao chegar perto da namorada de rakin ela começa a gritar acuzando-o proprio de ter assediado ela, a “vitima” giovanne tezoni chama seu namorado que parte para cima de alanderson ele tenta se explicar fala das cameras… mas nao tinham filmagens, expulso da festa sua carreira terminou ali.

  5. ATENÇÃO!!! Eu sou um viagante do tempo e preciso avisar algo muito importante!: Conhecem aquele buraco na montanha? lá poderia é um lugar aonde o gary faz suas maquinas e coisas, e pra chegar até lá vc precisa ter uma digital igual a do gary porquê essa passagem secreta é em cima da mesa da EPF mas a coisa mais estranha é que em algum momento o gary perdia sua conexão com o celular da EPF e isso aconteceu por um longo tempo sem mudar… Até que eu descubro que o gary estava fazendo uma maquina que criava animais fofinhos até que o klutsy entra na base de gary e cria muitos caranguejos para atacar a vila mas a maquina fica sem controle e cria um monstro gigante que é capaz de acabar com toda a ilha, até que chega o pinguim sagrado que pode salvar a ilha mas com uma condição: ele vai sumir para sempre e ficar preso dentro de klutsy mas o klutsy controla a maior parte do corpo, sendo assim toda a vez que vc vai em baixo do plaza na passagem secreta vc consegue ver muitos caranguejos e o klutsy/o penguim sagrado.

    Que tenta bater na parede do vidro e tenta avisar que algo de ruim está acontecendo… Todos aqueles caranguejos estão voltando mas todos ficaram gigantes! Oh não! Quem será o proximo pinguim sagrado?!

  6. Lenda do lmao, lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao lmao

  7. A Lenda da Sala da Redação (O início da Operação Apagão)

    Reza uma lenda da nossa querida ilha, que em todo ano, próximo as madrugadas de Halloween, a Sala da Redação fica inativa por alguns dias, porém, Um pinguim chamado Jorge, trabalhador da sala, chegou bem tarde no seu local de trabalho, ao chegar lá, obviamente em época de Halloween, ele viu que algo estava errado, uma das cartas tinham sumido, a carta era fundamental para o futuro da ilha.
    Não era uma carta comum, foi enviada pela EPF nessa data de Halloween pois eles sabiam que era quando ficava inativa. Mas eles não pensaram que um invasor teria pego essa carta ao saber da existência dela.
    Logo após isso, a EPF foi alertada, e foram enviados os melhores agentes atrás do ladrão. E ele sendo obviamente anônimo não foi encontrado por muito tempo.
    Nessa carta haviam dados como a identidade da Diretoria, e como a luz solar era importante para a base da ilha.

    Muito tempo depois, a carta foi encontrada totalmente queimada em uma das montanhas da ilha, e nessa montanha havia um bilhete escrito:

    “Cuidado com o que vai fazer, isso pode matar todos nós e até você. Vão te caçar e não vão te perdoar, essa sua pele grossa e branca pode te proteger do frio, mas não dos perigos da escuridão

    K.”

    Quando a EPF encontrou o bilhete, automaticamente já sabiam que quem estava por trás disso era o Klutzy, o caranguejo da ilha. E obviamente, pela moleza que o Klutzy deu, percebe-se que ele estava trabalhando junto ao Herbert.

    A caçada e a corrida contra o tempo começa agora, o Klutzy saiu da ilha por um tempo até a poeira baixar, os agentes não conseguiram o encontrar, mas dizia que ele ficava próximo a uns canhões de puffles aéreos. Já a EPF, sabendo que o Herbert estava na ilha, ligou o alerta vermelho e estavam todos os agentes procurando o Herbert na ilha.
    Enquanto isso, ao Herbert saber de tudo que se ocorreu, colocou seu plano em prática o mais rápido possível antes de ter tudo acabado pela EPF. Ele começou a criação do seu Laser Solar, para acabar com a base da ilha, escrita na carta. Infelizmente ele conseguiu criar essa máquina antes da EPF o encontrar, e assim deu início a Operação Apagão.
    No dia deste evento, Herbert deu às caras e de onde tudo se ocorreu, criando-se o caos e a escuridão na ilha do Club Penguin.
    No final desse evento, tivemos a identidade da Diretoria revelada, Tia Artic, ao saber que Herbert e Klutzy sabiam de sua identidade pela carta, preferiu no final de tudo mostrar quem realmente era.

    E essa foi uma das lendas da Operação Apagão e da Sala da Redação, quase nunca ativa.

  8. Lenda do Detetive.

    A lenda diz que um antigo detetive trabalhava num iglu perto da plaza, esse detetive tinha 2 puffles como sua familia e também ajudantes nos casos, um puffle marrom muito esperto, e um puffle preto que sabia fazer equipamentos, junto com o marrom, os dois puffles eram altamente preparados.

    Um dia, houve um caso, classico caso de um puffle desaparecido, um puffle verde, com uma hélice, o detetive foi levado ao lugar aonde ele foi ultimo visto, a estação de esqui, lá, foi falado que o puffle tinha sido visto perto da montanha, o detetive e seus puffles foram correndo até lá, no local eles viram que o puffle estava indo pro farol e iria pousar por lá.

    Eles desceram rapidamente a montanha e correram para o farol, lá no topo, o puffle tentou escapar e acabou empurrando um puffle laranja do farol, o detetive pulou do farol, abraçou o puffle e caiu com tudo na neve.

    Os dois puffles do detetive foram ajudar o mesmo mas era tarde demais, mesmo assim, o puffle marrom não desistiu, ele levou o Detetive com a ajuda de outros puffles até o Escritório do mesmo, e lá, conseguiu criar, com a ajuda do seu amigo puffle preto, um corpo robótico pro grande amigo Detetive.

    Dizem que até hoje em dia, o detetive pode ser visto andando pela ilha, resolvendo casos e ajudando quem necessita, com a ajuda dos seus dois puffles queridos.

  9. A lenda do multicor
    existia um puffle branco que gostava de passear por toda a cidade e ajudava a todos, todos os conhecem um dia um funcionário de um fabrica pediu para que ele o ajudasse e como sempre ele foi com um sorriso no rosto, ele foi mexer em uma maquina de tintas e ele escorregou e caiu quando ele saiu ele percebeu que ele estava todo cheio de cores.

  10. Saudações, nosso robô favorito! Achei uma oportunidade de voltar a escrever nos comentários dessa comunidade linda, Não é? Muito bem, saiba que eu adoro leitura, e adoro LENDAS! Portanto, Irei compartilhar uma que descobri durante meus estudos -Mágicos-

    A Seguir:
    -O gêmeo do herdeiro-

  11. Apresento a vocês:

    A LENDA DO PUFFLE DE GELO E DO HERÓI CONGELADO

    Esta é uma lenda milenar, alguns dizem ser da idade da ilha, mas ninguém sabe ao certo se ela é real.
    Todos os anos, no luau de primavera, os pinguins costumam se reunir em volta da fogueira, e os pinguins mais antigos sempre contam aos mais jovens a terrível, assustadora e triste lenda do Puffle de Gelo.

    Diz a lenda que antes de tudo existir, antes das geleiras mais extensas, das árvores mais altas, e das montanhas mais íngremes… existia um puffle. Um puffle incomum, maior que todas as espécies de puffles conhecidas, de cor azul e cinza, com pedaços de gelo grudados em sua pele. Ele vivia ao lado dos primeiros pinguins no polo norte do planeta, os pinguins o consideravam um ser supremo e o idolatravam.
    Mas diferente também dos outros puffles, esse não era adorável e nem mesmo pacífico, era um puffle cruel, que usava seus poderes de congelamento para castigar aqueles que não cumpriam suas ordens.
    Cansados da tirania do Puffle de Gelo, um grupo de pinguins se reuniu para se livrar do puffle de uma vez por todas. Liderados por um pinguim em particular, que ganhou o apelido de “Herói”, os pinguins armaram um plano para criar um gelo tão forte e tão resistente, que nem mesmo o puffle poderia controlá-lo.
    Mas a sabedoria do puffle era superior, enquanto armavam o plano, o puffle controlou os ventos congelantes da ilha e descobriu o plano. Pinguim algum conseguiria aguentar a ira daquele puffle… Cada sopro dele congelava tudo em seu caminho, a sua ira foi tanta que fez o chão tremer e montanhas surgirem, um completo caos de poder, impossível de ser controlado.
    Mas o Herói não desistiu de seu plano, e enquanto o puffle destilava sua ira nos pinguins, ele se aproximou do tirano e o abraçou…
    O abraço foi mais do que poderoso, o coração quente do pinguim aqueceu o Puffle de Gelo, os pedaços de gelo grudados em seu corpo se desprenderam, e seu tamanho diminuiu, ele embranqueceu e sua alma maligna foi retirada do corpo, tornando-o tímido e amigável. Naquele momento, dos braços do Herói, caiu no chão o Puffle Branco.
    Mas a alma maligna do Puffle de Gelo era forte demais para o Herói aguentar, e enquanto seu coração aquecia o puffle, o coração gelado dele se apossava mais do corpo do Herói, congelando-o de dentro para fora, até que ele se tornasse uma estátua de gelo sólido.
    Os demais pinguins levaram a estátua que outrora fora o Herói para uma caverna no topo da montanha mais alta da ilha, e lá, selaram a caverna, e passaram a contar a história de geração a geração.
    Alguns dizem que a lenda acabou ali, mas outros dizem que um dia, o espírito do Puffle de Gelo irá descobrir uma maneira de se descongelar do corpo e sair da caverna, voltando a espalhar o Caos do Gelo pelo Club Penguin.

    E esta é a Lenda do Puffle de Gelo e do Herói Congelado!
    Espero que tenham gostado

    😀
    -História escrita por Herdeiro

  12. [Iniciando transmissão]

    A Lenda dos puffles da sombra:

    Esta lenda é mais antiga que o próprio Sensei, me lembro muito bem de cada palavra do sábio mestre…

    “No começo de tudo, enquanto os puffles ainda eram selvagens, os pinguins eram todos da mesma cor e apenas havia as montanhas na ilha… Começaram a surgir boatos entre os exploradores, boatos que diziam ver um puffle que não tinha corpo, mas criava uma sombra. Muitos seguiam essa sombra, porém ninguém voltava.

    Muito tempo se passou desde então, os pinguins já não iam atrás dessa sombra por medo de não saberem o caminho de volta. Mas entre eles havia um pequeno pinguim, jovem e muito curioso… Mesmo com seus pais avisando ele de não ir atrás daquela sombra, sua curiosidade falava mais alto. Então, em um dia pela manhã, aquele pequeno aventureiro partiu de seu humilde iglu, com sua trouxinha de pano, em busca daquela sombra. Depois de alguns minutos correndo atrás daquele puffle, o garotinho encontrou uma vila secreta, onde todos dominavam as sombras! Havia entre eles pinguins e puffles em harmonia e paz… Mesmo ele vendo com seus próprios olhos, ainda sim não conseguia acreditar. Do alto da montanha, os pinguins conseguiram ver aquele pequeno aventureiro e então o chamaram para mais perto.
    Assim que ele desceu dali, a guardiã do lugar se apresentou:

    – Saudações, meu nome é Saarah. Qual seu nome, pequenino?

    O garoto, nervoso e com um leve medo, disse:

    – M- meu nome é Túlio…

    Ela, com um sorriso no rosto, respondeu:

    – Seja bem-vindo, Túlio!

    Durante um dia inteiro, eles andaram pela vila conversando. Até um momento em que o garoto ficou intrigado vendo os pinguins meditarem, então ele perguntou:

    – O que eles estão fazendo?

    Saarah, respondeu com calma:

    – Eles estão aprendendo a como dominar o elemento da sombra.

    Túlio, ainda mais curioso, perguntou:

    – Como assim “elemento sombra”?

    Ela então explicou:

    – Há muito tempo atrás, nossos pais encontraram este lugar graças àquele puffle. Desde então, nós decidimos aprender e aperfeiçoar as habilidades do elemento da sombra, fogo, água e neve.

    Ele, ainda mais curioso do que antes, retrucou:

    – Espera um minuto, existem mais elementos?

    Saarah, dando pequenas risadas, respondeu:

    – Claro! Nós não sabemos de nada ainda, por isso estamos aprendendo como usá-los. Os elementos fogo, água, neve e sombra são alguns deles.

    Túlio, com brilho nos olhos, pediu:

    – Por favor, me ensine a usar eles!

    Assim, Túlio começou a aprender novas habilidades, porém em segredo. Todas as manhãs partia para aquela vila e
    retornava de tarde para a ilha. Muito tempo se passou, e sua mãe começou a notar que o garoto acordava muito cedo e apenas voltava de tarde. Então, em um dia de manhã, ela conseguiu flagrar o garoto saindo do iglu e perguntou para ele:

    – Onde o senhorzinho está indo?

    Ele, com um breve susto, respondeu:

    – Mã- Mãe! É… Não era para a senhora estar dormindo?

    Ela, com raiva, disse:

    – Não responda minha pergunta com outra pergunta! Para onde você está indo?

    Ele, sem poder mentir, disse:

    – Eu descobri algo quando segui aquela sombra…

    A mãe, furiosa, brigou:

    – EU DISSE PARA NÃO SEGUIR AQUELA SOMBRA! Você tem sorte de conseguir voltar para casa!

    Antes que recebesse uma chinelada, ele disse:

    – Espera! É totalmente seguro! Eu estou aqui, não estou?

    Ela parou para pensar um pouco e, segurando o chinelo na nadadeira, disse:

    – O que você fazia lá…?

    Ele disse:

    – Me siga que eu te mostrarei.

    Os dois foram até a vila e, ao chegar lá, sua mãe não conseguiu acreditar no que via. Todos seus amigos que um dia partiram atrás daquele puffle estavam ali.
    O menino então introduziu sua professora:

    – Mãe, Saarah. Saarah, mãe.

    Ele também disse:

    – Me desculpa por não ter te contado, mãe… Achei que você ficaria brava…

    Então sua mãe respondeu:

    – Seria melhor do que ter guardado isso de mim, não acha?

    Ele, com um sorriso de vergonha, respondeu:

    – Tem razão… He he he…

    Por muito tempo, este garoto aprendeu e melhorou as técnicas ninja. E, infelizmente, aquela vila acabou sumindo com o tempo… Porém, o garoto não permitiu que aqueles segredos fossem em vão, então um dia ele escolheu um aprendiz para ensinar TODOS seus segredos, um aprendiz que está conosco até hoje… Um aprendiz que agora é conhecido como Sensei.”

    Espero que tenham gostado! Não sou muito bom em contar histórias, mas me lembrei de cada detalhe.
    Bom, eu também gostaria de dizer que… EI! ROOKIE, NÃO MEXA NISSO!

    Desculpa gente, outra hora eu conto- ROOKIE, EU DISSE PARA NÃO FAZER ISSO!

    [Fim da transmissão]

  13. A Lenda da Forma

    Diz que em tempos distantes, tão nos primórdios, que nem a ilha sequer iria pensar existir… apenas um iceberg — nosso conhecido e atual iceberg — que residia no imenso mar aberto, protegendo seu território vasto. E então, quando se passou duas luas, surgem palpitações no oceano que revelaram uma forma gigantesta e amórfica. A Forma apossou do grande território. Quando se apossou ela repartiu uma parte do fundo do mar, trazendo essa partição até a superfície, para então habitar sobre. Entediada, criou seres vivos para passar seu tempo com as amadas criações, estas novas criaturas eram peludas — como grande bolas de pelo — talvez seja por conta da essa forma que remetia algo que a Criatura possivelmente viu durante os anos que passou hibernando e acordando, sendo assim, cópias de algo que ela viu. As bolinhas de pelo possuíam cores diferentes, pelo menos quatros cores diferentes — rosa, azul, verde e preto —, a Forma amou muito suas criações e esse ciclo de amizade não se quebrou mais. Sempre que as peludinhas buscassem atenção da Criatura elas dançavam, porém, um dia o oceano com inveja daquela ilha ter sido originado dele, enviou uma tempestade tão forte que poderia acabar com a vida presente no lugar. A Forma imediatamente entendeu, e para salvar suas queridas criações se jogou ao mar. A queda foi tão brusca que tremores lançaram a grande ilha ao ar, salvando as criações mas finalizando a vida de seu criador… talvez, a Criatura tenha se fundido ao fundo mar formando um tratado de paz com o mesmo, agora tinha a capacidade de criar vida após absorver as habilidades da Criatura.
    A ilha estava segura, presa nas nuvens que segurariam para sempre aquelas pobres vidas, essas vidas estavam deprimidas pela falta que seu Criador fazia… o Arco-Íris vendo aquela tristeza não se conteve em tentar ajudar, passando toda sua felicidade para aquelas criaturas e perpetuando a sua cor sobre estes. A ilha se desfez, e suas criaturas peludas permaneceram nas nuvens, agora virando habitantes do céu que irradiava alegria e raios arco-íris.
    Todos os dias, eram possíveis ouvir a cantoria e alegria expressadas por todas as nuvens com seus arco-íris.

  14. Um nome que faz alguns tremerem: Scorn, o rei dragão. A amedrontadora figura do dragão, assim como todo puffle, pinguim, fada e, talvez, robô, já foi uma pequena criança. Essa velha lenda data da muitíssima antiga época, qual Scorn era um pequeno dragãozinho nem sabia voar. Ao contrário do que muitos pensam, dragão são geralmente pacíficos, porém sujeitos a serem corrompidos facilmente. O bebê dragão Scorn, de acordo com a lenda, possuía um irmão, um irmão gêmeo de única diferença sendo chifres similares ao de um cervo. Assim como várias aves diferentes de pinguins (que precisamos de mochilas a jatos ou chapéus hélice)Dragões são tentados pelo imenso céu azul, pelo vento e pelo doce som dos puffles celestiais. Filhotes dragões, inocentes e pequenos, Pulariam de um alto penhasco medieval atrás do sonho de voar por aí, e foi oque os gêmeos dragões fizeram, despencando do alto até a floresta (Na época, floresta das fadas né) Felizmente, ambos não estavam muito feridos, até agora…
    “Ha quem passe por uma floresta, e só consiga ver lenha para tua fogueira” “Ha um caçador que aviste pequenos dragões, e apenas veja tesouros e escamas” Enquanto os gêmeos, já esquecidos dos ferimentos brincavam entre si, não percebiam que eram observados. uma flecha, afiada e enfeitiçada, perfurando as frágeis asas do irmão de Scorn, que se agoniava enquanto corria. A perseguição os levara ao mesmo precipício, a tensão no ar pressionava os pequenos dragões, que sem ideia ou escolha, precisam tentar novamente o arriscado. Scorn, Sobre lágrimas e suor, ergue as asas novamente e… No ar estava! Porém, Scorn ainda que alegre por ter conquistado o céu, via os últimos movimentos do irmão, cuja a flecha sob um feitiço cruel, o tornava pedra fria. Scorn tentava recuar e ajuda-lo, enquanto ainda tentava desviar de mais ataques do cruel caçador, É consumido pelo medo, abandonando o irmão no local.
    Sete luas seguinte Scorn, adaptado com o céu e o vento Um nome que faz alguns tremerem: Scorn, o rei dragão. A amedrontadora figura do dragão, assim como todo puffle, pinguim, fada e, talvez, robô, já foi uma pequena criança. Essa velha lenda data da muitíssima antiga época, qual Scorn era um pequeno dragãozinho nem sabia voar. Ao contrário do que muitos pensam, dragão são geralmente pacíficos, porém sujeitos a serem corrompidos facilmente. O bebê dragão Scorn, de acordo com a lenda, possuía um irmão, um irmão gêmeo de única diferença sendo chifres similares ao de um cervo. Assim como várias aves diferentes de pinguins (que precisamos de mochilas a jatos ou chapéus hélice)Dragões são tentados pelo imenso céu azul, pelo vento e pelo doce som dos puffles celestiais. Filhotes dragões, inocentes e pequenos, Pulariam de um alto penhasco medieval atrás do sonho de voar por aí, e foi oque os gêmeos dragões fizeram, despencando do alto até a floresta (Na época, floresta das fadas né) Felizmente, ambos não estavam muito feridos, até agora…
    “Ha quem passe por uma floresta, e só consiga ver lenha para tua fogueira” “Ha um caçador que aviste pequenos dragões, e apenas veja tesouros e escamas” Enquanto os gêmeos, já esquecidos dos ferimentos brincavam entre si, não percebiam que eram observados. uma flecha, afiada e enfeitiçada, perfurando as frágeis asas do irmão de Scorn, que se agoniava enquanto corria. A perseguição os levara ao mesmo precipício, a tensão no ar pressionava os pequenos dragões, que sem ideia ou escolha, precisam tentar novamente o arriscado. Scorn, Sobre lágrimas e suor, ergue as asas novamente e… No ar estava! Porém, Scorn ainda que alegre por ter conquistado o céu, via os últimos movimentos do irmão, cuja a flecha sob um feitiço cruel, o tornava pedra fria. Scorn tentava recuar e ajuda-lo, enquanto ainda tentava desviar de mais ataques do cruel caçador, É consumido pelo medo, abandonando o irmão no local.
    Sete luas seguinte Scorn, adaptado com o céu e o vento retornava, relutante, encontrando apenas, a figura petrificada de seu gêmeo. Sob a tristeza e ira, a mente do dragão se corrompeu, tornado-o bem, o rei que vemos hoje.
    Scorn não percebeu antes de partir com todo o ódio da-li, que um puffle cervo filhotinho, estava saindo de uma moita…
    Fim…
    Das minhas pesquisas, dragões possuem uma alma imortal, que se metamorfoseia em última esperança. O Dragão filhote e sem nome, que nunca Realizou o desejo de voar não se encontra mais ali.
    Isso é uma lenda, e oque torna uma lenda interessante é a improbabilidade e incerteza sobre ela…
    Então, fechando o livro de lendas medievais, encerro meu conto. Abraços gelados da Chine!!

  15. A Lenda do Puffle-Urso

    “Era uma noite escura, eu e os meus amigos peludinhos tremíamos de frio no meu iglu, ouvíamos barulhos de gravetos quebrando no meio da tempestade de neve e nesse momento ganhei coragem, dei um puffito ao meu puffle preto e fui lá fora com ele ardendo em chamas e quando vi achei algo que se assemelhava a um puffle: era branco, mais peludo do que habitual e com dentes, muito muito afiados…
    Levei-o para meu iglu para ele não passar a noite lá fora, depois dele ficar em meu iglu já não se ouvia muitos barulhos então consegui adormecer e quando acordei esse puffle não estava mais onde ele tinha ficado, mas no entanto a porta tinha sido aberta e numa trilha se via pegadas de urso, eu desconfiei então me equipei e fui seguindo quando achei uma fábrica de puffles, e um urso do dobro do tamanho dum pinguim, numa cápsula verde que se conectava com o que parecia ser uma incubadora cheia dos mesmos puffles que eu tinha encontrado na outra noite então ao ter a certeza que estavam vivos empurrei um deles e ao fazer isso acordaram e pularam em cima de mim.

    Se não fosse por um puffito que eu tinha guardado na minha mochila, não estaria aqui para contar esta lenda, a Lenda do Puffle-Urso…”

  16. A LENDA DO PINGUIM DA CAMISETA DE BOLINHAS

    Um dia na ilha do Club Penguin, um pinguim resolveu vestir uma camiseta de bolinhas, mas enquanto ele estava usando, ELA ENCOLHEU e ele não conseguia mais tirar.
    Aí todo dia depois disso, os pinguins zoavam ele porque só tinha uma roupa e era pobre, aí ele começou a ficar bravo. E ele ficou preocupado que nunca mais fosse sair. Então ele foi pro Gary, o pinguim inventor, perguntar se ele podia fazer algo para ajudar.
    Aí ele criou o ”Aumentador de Roupas 3000” e EM VEZ de fazer A ROUPA crescer, FEZ ELE FICAR GIGANTE! Aí o Gary teve que criar um ”Encolhedor de Pinguins 3000”, e dessa vez funcionou. O pinguim finalmente conseguiu tirar a roupa de bolinhas e colocou uma xadrez, só que ela encolheu e…

  17. Reza a lenda que um vulto misterioso rondava pelas florestas do Club Penguin, então dois pinguins curiosos foram descobrir se isso era verdade. Eles se chamavam Joe e Emily, e eram conhecidos na ilha por sua bravura e coragem.

    Então na manhã seguinte eles pegaram suas mochilas, onde continha, cantis com água fresquinha e bastante alimento para sua grande exploração. Joe havia pegado um mapa e começou a marcar nos locais onde havia mais relatos sobre o tal vulto. Na primeira localização eles encontraram apenas alguns pelos de um animal. Já na segunda localização eles encontraram alguns pertences de pinguins, e então Emily nota algo muito interessante, além dos pertences comuns dos pinguins, havia um telefone de agente secreto da ASP! E então eles pensaram em duas possibilidades, ou alguém raptou o agente ou alguém acabou roubando o telefone dele, provavelmente a primeira opção seja a correta, já que é meio difícil algum agente secreto ter seu telefone roubado, mas nunca se sabe.

    Então, na última localização do mapa, eles encontraram uma coisa que iria provar de uma vez por todas o que era aquele vulto e se ele era real ou não, eles acharam um papel que mostrava um plano maligno de capturar os melhores agentes da ASP e deixá-los presos, até conseguirem derreter a ilha inteira.

    Os dois não eram agentes secretos, mas sabiam de uma coisa, isso só podia ser plano de uma pessoa, Herbert o urso polar. Isso explicava os pelos que eles encontraram na primeira localização, e os pertences eram dos agentes secretos que enquanto fugiam do Herbert acabaram derrubando-os no chão.

    Então Joe e Emily se recrutaram na ASP, depois de passar pelas provas eles foram aceitos e relataram tudo que sabiam a outros agentes que estavam no quartel general. Então vários agentes começaram a ajudar os dois, um deles disse sobre uma suposta localização onde ficava a caverna do Herbert e então eles foram até lá. Até a TP foi chamada para essa missão de resgatar os agentes e ela trouxe vários Puffles de Elite para ajudar.

    Então eles conseguiram entrar na caverna e capturaram o Herbert, então salvaram todos os agentes que foram aprisionados e esse é o fim da lenda, alguns pinguins que contaram essa lenda disseram que o Herbert fugiu, mas essa é a versão que eu conheço.

  18. Bom dia Ilha Penguina, eu sou PinGul e venho lhes trazer a lenda do espírito da Ilha. Há muito tempo, quando o Sensei tinha cabelo preto e brincava de caçar os dinossauros, haviam seres estranhos além dos nossos penguins tradicionais, seres voadores como aves, mas rastejantes como cobras, eles eram tão inteligentes quanto os pinguins, talvez até mais! E o mais gozado, eles não tinham um pedaço de pena, apenas um pelo grosso e quente, esses seres começaram a explorar a ilha, prenderam os dinossauros e o sensei por brincadeira! Mas o Sensei sempre fazia uma coisa todo dia a noite, cultuar a grande deusa da terra e do gelo, Gaspina, e isso não era a toa, sem sua oferenda Gaspina ficou irritádissima com todos da ilha (que ainda era um lugar cheio de plantas e árvores), enquanto o Sensei tentava dormir, Gaspina se revoltou contra os seres que os aprissionaram, um bebê conseguiu fugir entretanto, Gaia usou o poder da neve e da terra, o suficiente para abalar completamente a ilha, nada sobreviveu, apenas o Sensei por quem Gaspina tinha tanto carinho, e ás árvores já que faziam parte da Terra, Gaspina tinha ficado com tanta raiva que esgotou todas suas energias nos seres peludos, e com o restante, deu o que tinha ao Sensei, dizendo que ele deveria fazer a ilha tão boa quanto era antes, e deu o restante de seu poder ao Sensei, que começou a criar outros tipos de criaturas como eles, ou seja, MAIS PINGUINS! Todos com suas personalidades únicas, e enquanto isso uma nova pequena raça estava se formando, uma mais peluda que a anterior, mais faminta, mais variada, e muito mais divertida, que temos o prazer de chamar de Puffles. Sensei, após de criar seres como ele, viu o que eles criaram, ficou orgulhoso do que ele fez, e se aposentou ensinando outros pinguins a usar o poder de Gaspina que havia em todos, a final, ele não conseguiu fazer algo do 0.

  19. Certamente vocês já repararam que existe uma máquina de jogos (arcade/fliperama) quebrada na área VIP, mas aposto que pouquíssimos sabem a história que passa por trás daquela tela desligada. Então, vou contar o que eu descobri até o momento.
    Tudo começou quando um grupo de pinguins resolveu se reunir no sótão da cabana -era aquela época entre uma festa e outra e todos estavam em busca de algo novo para fazer. Nesse dia, após horas revirando centenas de objetos do sótão, a minha nadadeira passa por cima de um jornal empoeirado, que tinha como manchete um arcade sobre escavação feito por Gary, o Escavação 3000. A notícia mostrava ser um jogo simples, que consistia basicamente em cavar para baixo e encontrar moedas sem cair na água subterrânea. No entanto, o jogo parecia ser um grande sucesso entre os pinguins, gerando grandes filas que chegavam até o Ancoradouro. Como pensei que poderia ser algo interessante, chamei a todos do grupo para ver. Não demorou muito para alguém perceber que se tratava do fliperama quebrado. Todos os pinguins se assustaram, pois ele sempre passou despercebido, era como se ele simplesmente fizesse parte do cenário.
    A vontade de resolver o mistério tomou conta de todos naquela sala, afinal de contas “Por que um jogo tão famoso está desligado?”. Passamos a tarde inteira revirando os arquivos da caldeira, mas nada sobre o fechamento do jogo foi achado. Descobrimos apenas que o jogo rendia muitas moedas. Contudo não sabemos, ainda, o porquê de ninguém nunca falar desse jogo, ou então, o motivo dele ser desligado.

    Enfim, ainda em busca de informações…

    Pinguinando, Malepingu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *





®2017-2021 Club Penguin Brasil. Não possuímos direitos reservados por nenhum dos arquivos.